Padre Cícero Machado

Em 11/12/2013 às 20:54h

Natal de Cores e Luzes

Versão para impressão
Enviar por e-mail
Conheça o autor

Para desejar-lhes um feliz natal e um ano Novo cheio de Alegrias, como pastor, não poderia deixar de insistir que a nossa Alegria e felicidade no natal e no ano vindouro está intimamente ligado a nossa participação na vida de Cristo, Rei do Universo. Por isso decidi colocar esta reflexão do dia de Cristo Rei para desejar-lhes um Feliz Natal e a esperança de tê-los comigo durante todo o ano de 2014 em minhas assembleias litúrgicas aprendendo o amor de Deus juntos.

É no mínimo intrigante e sintomático que a Igreja coloque como reflexão bíblica para encerrar o ano litúrgico a figura de Cristo crucificado (Lc 23,35-43). A figura de um rei sendo assassinado. A Igreja coloca a figura de Cristo que é rei, pendurado numa cruz. Lá ele escuta horrores. É no mínimo intrigante o seu silêncio. Nós vimos que ele faz um grande silêncio na cruz. Os chefes zombavam, os soldados caçoavam, os ladrões insultavam. Se nós prestarmos atenção, veremos que ele ficou mudo na cruz. Falavam mentira dele. Pediam que agisse milagrosamente: Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!" (Lc 23,39). O mais interessante é que frente ao deboche ele se manteve mudo. Diferente da maioria nós. Aquele homem lá na cruz é diferente porque ele não dá ouvido aquilo que não tem razão de ser. Outro homem qualquer, sem sabedoria, certamente esbravejaria, falaria horrores.

Somente para uma pessoa ele abriu a boca para dizer uma palavra e disse: "Hoje mesmo estarás comigo no paraíso". Disse isso para a pessoa que: primeiro se reconheceu pecador, (versículo 40), depois reconheceu a inocência sua inocência: "Ele não fez mal algum" (Versículo 49), e por último reconhece que o Cristo é Rei, mas um reinado que não é deste mundo dizendo: " Lembra-te de mim quando entrares no teu reinado" (Versículo 42). Abriu a boca naquele momento e emudeceu novamente.

Entendemos agora que para nossa salvação e para que Cristo seja o rei em nossas vidas necessitaremos de três coisas: 1) Reconhecer-se pecador. 2) Reconhecer a bondade de Deus salvador.  3) reconhecer que o reino de Deus não é deste mundo.

A Igreja quer fazer estes passos de reconhecimento conosco numa pedagogia de reconhecimento da vida inteira de Jesus distribuindo-a num ano litúrgico fixados em cores chamadas "cores litúrgicas".

A semana do advento celebra a cor rosa da espera ou róseo. Tempo de vigília e espera que faz com que a gente fique "grávidos" de Cristo. Uma mulher nas últimas quatro semanas da sua gravidez. Neste tempo a Igreja mistura três cores: vermelho do sangue de Cristo, com o branco da festa do seu natal, e o roxo do nosso pecado dando assim o Róseo.

E, logo depois, vem a cor branca da alegria daqueles que receberam uma criança em casa. Quem já ganhou uma criança sabe da alegria que é ter uma criança em casa. É inexplicável. Depois vem o batismo.

Depois do batismo Cristo marcha para o deserto. Assume uma missão que vai trazer para Ele a dor e a morte. Assume para si os nossos pecados e da humanidade inteira, então a Igreja se veste de roxo numa quarentena. A gente vai viver profundamente o reconhecimento do pecado do homem que leva o Cristo para a Cruz. É a Quaresma.

E lá na cruz ele leva todos os nossos pecados. A vitória é da vida e novamente é festa. É branco. É Páscoa. Assim como ele nasceu no natal, renasce na Páscoa. A Igreja se veste por cinquenta dias de branco. A veste do ressuscitado que ainda ficará caminhando conosco fazendo a festa com peixe e pão, encontrando com seus discípulos até o dia de pentecostes, quando tudo fica vermelho para celebrar a vida daqueles que morrem nos martírios em nome de Cristo e impulsionados pelo seu Espírito.

Tendo subido aos céus fica conosco a esperança de sua volta então a igreja se veste de verde, lembrando a nossa esperança de encontrar com ele novamente.

Mas a salvação é somente para aqueles que conseguem viver a vida em Cristo. Não para aqueles que debocham de Cristo. Como nós vemos muitas vezes aqueles passantes: passa na frente da igreja, passa na frente de Cristo o crucificado. Sabem que Jesus viveu e morreu para religar a humanidade no céu. Antigamente os pais e avós ensinavam as crianças a passarem em frente de uma Igreja e fazer o sinal da cruz. Hoje muitos seguem seu caminho, olham para a igreja, para a cruz, e este símbolo de entrega e de vida parece não lhes dizer nada, não fazem um sinal, não pedem uma bênção, e por vezes até debocham. Há um tempo, nem muito tempo assim, os pais ensinavam as crianças a encontrar com um padre e pedir a benção, que o padre responde: Deus te abençoe.

Se você coloca um crucifixo no peito alguns dizem: está carregando um deus morto, ou seja, o mesmo insulto do ladrão.

A dor de Cristo não é tanto a dor de ter uma espada traspassada no seu peito. Nem as chicotadas doeram tanto assim quanto a dor do desprezo e do deboche vindos daqueles por quem havia dado a vida. Imagina alguém que você ama, alguém por quem você trabalha, alguém por quem você vive, essa pessoa maltrata e abandona na cruz, esta é a dor maior. Isto é o que a humanidade faz. Se ao contrário fizesse dele o rei da vida como tantos precisam fazer, aprenderiam o amor de Deus, aprenderiam a sua vida, a própria vida nas maneiras próprias de viver.

Quem pensa que pode viver por aí indiferente às coisas de Deus e debochando de Cristo. E depois pedir: Tu não és o Cristo: Salva-me! Como disse o ladrão debochado. Não vai receber, não tem salvação para isso. A Salvação é para aqueles que mesmo no pecado, mesmo errado, seguem a Jesus e dizem para ele: Tu és mesmo o Rei, salva-me! Quando você estiver no reino dos céus lembra-te de mim! Ele poderá te dizer: Hoje mesmo estarás comigo no paraíso.

Haverá um dia em que no nosso último suspiro. Eu acredito que na hora da partida, sem podermos dizer mais nada, com a voz e cansada vamos ouvir a voz de Cristo. Que sejamos nós aqueles que fazemos de Cristo o Rei de nossas vidas vivendo todos os tempos litúrgicos escutando a Voz de Cristo na Igreja, assim nós poderemos viver nesta terra e chegar juntos do Pai depois de escutar: hoje mesmo estarás comigo no paraíso. Somente para aqueles que têm fé.

Feliz Natal a Todos. Cristo Nascerá e deverá crescer e viver em nossas vidas. Teremos a certeza de um Natal feliz à medida que percorrermos os caminhos de Cristo, sua vida e mensagem. Então 2014 poderá trazer suas novidades boas ou não tão boas, não importa. O importante é que celebraremos o natal e Cristo estará conosco a cada dia até quando entramos em definitivo em seu Reino.


Autor: Padre Cícero Machado


Tags relacionadas: Pe. Cícero Machado Ribeiro, MSC

Fotos

Rua Dr Afonso Canedo, 47 Muriaé - MG, 36880-000 - 32 3722-2363 | Todos os direitos reservados a Paroquia São Paulo

Todos os direitos reservados a